E-commerce: Faturamento do 1o Semestre 2013


O que é o WebShoppers?

O WebShoppers é uma iniciativa da e–bit e tem como objetivo buscar informações sobre o comportamento de compras dos internautas brasileiros, demonstrando em números toda a evolução do comércio eletrônico nacional.

O WebShoppers está em sua 28ª edição.

Mas quem é a e-bit?

Presente no mercado desde janeiro de 2000, a e-bit se tornou uma empresa especializada em informações sobre o comércio eletrônico brasileiro.

Então, vamos aos resultados?!

Números

  • O comércio eletrônico brasileiro faturou R$ 12,74 bilhões de reais no 1o semestre de 2013;
  • Obteve crescimento  de 24% em relação ao resultado do mesmo período de 2012;
  • Registrou 35,54 milhões de pedidos – crescimento de 20%.

E-commerce: Faturamento do 1o Semestre 2013

Comportamento

  • Conquistou 3,98 milhões de novos e-consumidores;
  • Destes 58,62% pertencem a classe C – 65% concentram-se no Sudeste;
  • Dos novos entrantes: 55% são mulheres e destas 67% com faixa etária de 25 a 49 anos;
  • O ticket médio de compras foi de 359 reais;
  • Somos 46,16 milhões de consumidores online.

Ranking das Categorias (pedidos)

  1. Moda & Acessórios 13,7%
  2. Eletrodomésticos 12,3%
  3. Saúde, beleza e medicamentos 12,2%
  4. Informática 9%
  5. Livros, assinaturas de revistas e jornais 8,9%

Sem muitas novidades, o crescimento da Categoria Moda & Acessórios já era esperado diante do 2o lugar adquirido no ano de 2012. O ranking também não sofreu alterações e continuou com as mesmas categorias de 2012.

Influenciadores Positivos na escolha de Lojas

  • Confiança na Loja e Preço 16%
  • Frete Grátis 14%
  • Prazo de Entrega 13%

Influenciadores Negativos

  • Confiança na Loja 15%
  • Preço 14%
  • Prazo de Entrega 13%
  • Frete Grátis 12%

Mobile Commerce

  • As vendas a partir de dispositivos móveis já representam 3,6%;

Crescimento para o 2o semestre de 2013

Para o segundo semestre, a expectativa é que o comércio eletrônico fature R$ 8,9 bilhões. Fechando o ano de 2013 com R$ 8 bilhões. E que até o fim do ano, o Brasil tenha 51 milhões de e-consumidores.

Confira o relatório completo do WebShoppers 28a edição!

Anúncios

Comparadores de Preços fora de Moda


Não é novidade que o mercado de Moda está bombando no e-commerce. Então, por que os comparadores de preços ainda escondem a “coqueluche” do comércio eletrônico de seus menus???

No ano de 2011, a categoria Moda apareceu pela primeira vez no ranking das categorias mais vendidas no Brasil, comprovando a forte tendência que vinha surgindo no e-commerce de Moda, e neste ano ela ocupou a 5a posição do ranking.

Em 2012, a tendência virou realidade e a Categoria Moda & Acessórios subiu três posições no ranking das categorias mais vendidas da e-Bit , comprovando de vez que o segmento está cada vez mais consolidada no comércio eletrônico brasileiro.

Mas será que a categoria tem fôlego para ocupar a 1a posição? Possivelmente sim! Por anos e anos a categoria Livros ocupou o 1o lugar no ranking, mas foi perdendo a posição nos últimos anos para o atual  líder, Eletrodomésticos.

Porém,  os números estão bem próximos e o cenário pode sim, mudar…  Em volume de pedidos a categoria Eletrodomésticos teve participação de 12,4% e Moda 12,2%.

No marketing tradicional, moda está  na Pirâmide de Maslow como uma das  necessidades básicas, a necessidade de se vestir, pois já existe um consumo natural por moda (itens femininos, masculinos, infantis, calçados e acessórios); e ainda nas necessidades de auto estima, ligada ao “status” que faz com que estes números aumentem.

Voltando para o online, se olharmos os resultados do perfil dos e-consumidores,  50,1% são mulheres e 49,9% são homens a diferença praticamente não existe, mas em relação aos números de novos entrantes a diferença aumenta, pois  56,7% são mulheres, e mulheres compram Moda. Então, não é impossível imaginar que a categoria  ocupará a 1a posição deste ranking nos próximos Webshoppers.

Categoria Moda e Comparadores de preço

Mas o ranking das categorias ainda poderá sofrer algumas mudanças em suas posições, pois a categoria eletrônicos pode voltar a ocupar uma posição  entre as 5 +  no ranking, devido ao volume de compras de TVs que será  impulsionado pela Copa de 2014.

Mas voltando ao propósito do post,  porque os comparadores de preços ainda escondem a “coqueluche” do comércio eletrônico de seus menus???

É só navegar entre os comparadores de preços em busca de Moda que o resultado é em um cantinho escondido: “veja mais”, “todas as categorias”, etc. Então,  se este  mercado é tão dinâmico, cadê o link com o destaque merecido nos comparadores de preços que faz parte de qualquer planejamento de mídia online?

Vou citar o Buscapé, o único comparador de preços que  deu o destaque merecido e uma vitrine a altura do negócio.

Obs: quando iniciei este post não tinham Moda no menu, alguns incluíram neste meio tempo, cheguei até a questionar 2 destes 😉 #Ficaadica